segunda-feira, 13 de março de 2017



                      "Destino"


Não tive a má intenção de te prender
à minha vida. A música, o álcool,
todo o ouropel da noite, eu só quis
sossegar por algum tempo a dúvida

que me castigava, antes que a manhã
chegasse e a aranha do remorso
descesse pelo seu alimento à mesa
do pequeno-almoço. Batemos

à mesma porta e chamaste destino
ao acaso. Zelava por nós, entre
as eléctricas estrelas, o pequeno deus
do amor? Era o que trazia ao peito

a divisa da derrota universal? Como vês,
foi sempre outra, e inútil, a minha
fá - mas perdoa, se puderes, o pouco
que soube fazer pela solidão dos dois.


  Cabral, Rui Pires. Morada. Porto: Assírio & Alvim, 2015, p 212.
.
.
.